Extrativismo

O termo extrativismo é utilizado para designar atividades de extração e coleta de produtos encontrados na natureza (não cultivados), sejam elas predatórias ou não.

O extrativismo é a mais antiga atividade humana, antecedendo a agricultura, a pecuária e a indústria. Vem sendo praticada mundialmente através dos tempos por todas as sociedades.

Tal atividade tem propiciado o desenvolvimento de uma economia extrativa originária de ciclos econômicos, como ocorreu no caso da exploração do pau-brasil, das drogas do sertão, da borracha, da madeira.

O que é extrativismo predatório?

Extrativismo predatório é a retirada indiscriminada de recursos da natureza, podendo ser recursos minerais, animais ou vegetais.

Em geral tiram-se as riquezas do local sem se preocupar se elas se reconstituirão e, em determinado momento, esta riqueza deixa de existir.

Este extrativismo provoca desequilíbrio no ecossistema e impactos por vezes irreversíveis, bem como o assoreamento de rios e lagos, deterioração do ambiente, destruição das margens dos rios, contaminação da fauna e destruição da cobertura vegetal.

Tipos de extrativismo

O extrativismo vegetal

O extrativismo vegetal é o processo de exploração dos recursos vegetais nativos que compreende a coleta ou apanha de produtos como madeiras, látex, sementes, fibras, frutos e raízes, entre outros, de forma racional, permitindo a obtenção de produções sustentadas ao longo do tempo, ou de modo primitivo e itinerante, possibilitando, geralmente, apenas uma única produção.

extrativismo
Imagem: Reprodução

No Brasil, as principais extrações vegetais são o babaçu, a oiticica (utilizados para a produção de óleos), a castanha-do-pará (alimento de amplo consumo interno e apreciado nos mercados internacionais), e o látex da seringueira (usado na fabricação de borracha).

Também são extraídos no Brasil a carnaúba (de onde se extrai uma cera destinada à fabricação de tintas, vernizes, velas, além de uma das matérias primas do filmes), carvão vegetal e lenha (que servem como combustíveis) e a erva-mate (que produz um tipo de chá – chimarrão – de grande consumo no sul do País).

Extrativismo mineral

O extrativismo mineral apresenta como uma de suas principais características a alteração drástica do meio ambiente em que é realizado.

Esse tipo de extrativismo pode ter o uso direto ou indireto. Um exemplo de extrativismo direto é a água mineral em que o produto mineral é extraído e usado sob a sua forma natural.

Imagem: Reprodução

Já um exemplo de extrativismo indireto pode ser a dos minerais que são extraídos e depois encaminhados para as indústrias para que sejam transformados em produtos com mais valor agregado.

O extrativismo mineral no Brasil tem grande importância para o país até os dias de hoje sendo um importante elemento na balança comercial uma vez que o país é um dos maiores exportadores de minérios do mundo.

Principais minérios extraídos no Brasil: ferro, manganês, estanho, cobre, ouro, nióbio, quartzo e chumbo.

Extrativismo animal

O extrativismo animal é aquele no qual ocorre a captura de animais, como a caça (ilegal no Brasil, exceto para as comunidades indígenas) e a pesca, devendo obedecer a determinadas regras.

Dependendo de como é feito, pode ser caracterizado como predatório. A pesca, por exemplo, pode ser artesanal ou ter fins comerciais.

Imagem: Reprodução

Muitas vezes, o extrativismo animal pode colocar em risco de extinção às espécies animais e comprometer o equilíbrio ecológico de uma região.

Referências

Extrativismo mineral – Ricardo Dutra
Região Norte lidera extrativismos vegetal e mineral – Brasil.gov
Produção da extração vegetal e da silvicultura – IBGE
O processo de extrativismo animal na Amazônia e seu impacto para o local – Pensamento Verde

Luana Bernardes
Prof. Luana Bernardes

Graduada em História pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e pós-graduada em Psicopedagogia Institucional e Clínica pela mesma Universidade.

Exercícios resolvidos

1. [UERJ]

O assassinato do líder seringueiro Chico Mendes, em 1988, deu expressão internacional à pequena cidade de Xapuri, no Acre, e voltou o olhar do mundo para milhares de cidadãos que fazem da extração do látex seu sustento e do Vale Amazônico sua morada. O que poucos sabem é que esse foi apenas mais um capítulo da saga da borracha. Durante a Segunda Guerra Mundial, um exército de retirantes foi mobilizado com pulso firme, propaganda forte e promessas delirantes para deslocar-se rumo à Amazônia e cumprir uma agenda do Estado Novo. Ao fim do conflito, em 1945, os migrantes que sobreviveram às durezas da selva foram esquecidos no Eldorado. Passadas décadas, os soldados da borracha hoje lutam para receber pensão equivalente à dos ex-pracinhas.

(Adaptado de revistaepoca.globo.com, 18/04/2011).

A extração de recursos naturais da Floresta Amazônica, como o látex, ainda hoje se insere em um contexto de problemas sociais, relacionados principalmente ao seguinte fator:

a) escassez de mão de obra qualificada

b) precariedade das condições de trabalho

c) insuficiência dos sistemas de transporte

d) insalubridade da infraestrutura habitacional

Resposta: B
Tal qual mencionado no texto da questão, os seringueiros lutaram e ainda lutam por melhores condições de trabalho e uma maior valorização de suas funções no campo do extrativismo do látex. A precariedade nas condições de trabalho e a luta para mudar esse cenário evidenciaram-se no esforço de Chico Mendes no estado do Acre.

2. [UEL]

“Se cada pessoa da Terra tivesse computador, celular e carro, consumisse a mesma quantidade de água, de cereais e de energia que os americanos, seria preciso quatro planetas para dar conta do recado.”

(Revista Isto É, n. 1719, 11 set. 2002. p. 75.)

Com base no texto e nos conhecimentos sobre a apropriação de bens de consumo e recursos no mundo atual, é correto afirmar:

a) O padrão de consumo norte-americano é sustentável pelo fato de os Estados Unidos possuírem recursos próprios em quantidade suficiente para atender sua demanda.

b) As bases do padrão de consumo norte-americano são a sustentabilidade, o conservacionismo e o preservacionismo ambiental.

c) Para atingir uma economia sustentável, o padrão de consumo norte-americano deve ser disseminado entre os diferentes povos.

d) O padrão de consumo norte-americano evidencia uma relação socioambiental predatória e insustentável.

e) O acesso a bens de consumo nos países subdesenvolvidos pode alcançar o atual padrão norte-americano sem prejuízo ao meio ambiente.

Resposta: D
O texto revela que o nível de consumo e de utilização dos recursos naturais com base no padrão de vida estadunidense é insustentável, pois extrapola a capacidade de renovação desses mesmos recursos no planeta. Por isso, é preciso repensar a forma com que a sociedade capitalista explora o meio natural.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO