Assoreamento

O assoreamento é o acúmulo de sedimentos (areia, terra, rochas), lixo e outros materiais levados até o leito dos cursos d'água pela ação da chuva, do vento ou do ser humano.

O Assoreamento é o acúmulo de areia, solo desprendido de erosões e outros materiais levados até rios e lagos pela chuva, vento ou ação humana.

Quando o assoreamento ocorre, cabe às matas ciliares servirem de filtro para que este material não se deposite sob a água.

Causas do assoreamento

As principais causas do Assoreamento de rios, ribeirões e córregos, lagos, lagoas e nascentes estão relacionadas aos desmatamentos, tanto das matas ciliares quanto das demais coberturas vegetais que, naturalmente, protegem os solos.

A exposição dos solos para práticas agrícolas, exploração agropecuária, mineração ou para ocupações urbanas, em geral acompanhadas de movimentação de terra e da impermeabilização do solo, abrem caminho para os processos erosivos e para o transporte de materiais orgânicos e inorgânicos, que são drenados até o depósito final nos leitos dos cursos d’água.

O Assoreamento reduz o volume de água, torna-a turva e impossibilita a entrada de luz dificultando a fotossíntese e impedindo renovação do oxigênio para algas e peixes, conduzindo rios e lagos ao desaparecimento.

Consequências do assoreamento

As consequências do assoreamento de rios e lagos podem ser sentidas diretamente pela população. Os rios perdem a capacidade de navegação, uma vez que os bancos de areia que se formam atrapalham a passagem de barcos, navios ou canoas, como também tem a diminuição da velocidade de vazão.

Outro problema é que, quando os detritos se misturam à água escoada, o curso dos rios fica mais pesado e volumoso, além de turvo, o que causa problemas como a eutrofização. Inclui-se ainda a isso a perda da vegetação subaquática e das condições de habitat para peixes e outros animais, dificultando até mesmo o acasalamento e a reprodução das espécies.

assoreamento
Imagem: Reprodução

O assoreamento torna-se ainda pior quando, além dos sedimentos, lixo e esgoto são despejados sobre o rio, acumulando ainda mais dejetos em seu leito e ocasionando o fenômeno de eutrofização, invalidando o consumo da água.

Apesar de não “matar” os rios, o assoreamento pode aumentar o nível de terra submersa e ajuda a aumentar os níveis da enchente nos espaços urbanos e rurais de ocupação humana.

Formas de evitar o assoreamento

Para evitar o fenômeno de assoreamento é preciso que a população se conscientize, assim como a conscientização das indústrias para que os lixos domésticos e industriais não sejam jogados nos rios.

Também é necessário a ação dos governos com projetos de conservação dos rios e que realizem o desassoreamento e a conservação das matas ciliares.

No entanto, a melhor saída é preservar a região e as matas do entorno. Também se faz necessário colocar barreiras para que os sedimentos não se acumulem rapidamente sobre elas, para que assim elas barrem a entrada de objetos sedimentares nos rios e conservem o solo das margens, evitando erosões fluviais.

Referências

Modelo matemático do assoreamento de reservatórios –  A. M. Alvim

Hidrossedimentologia Prática – N. O Carvalho

 

Luana Bernardes
Por Luana Bernardes

Graduada em História pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e pós-graduada em Psicopedagogia Institucional e Clínica pela mesma Universidade.

Teste seu conhecimento

01. [PUC]: Recentemente, eventos relacionados a precipitações frequentes e ao escoamento das águas superficiais em bacias hidrográficas têm ocasionado os chamados “desastres ambientais”. Pode-se citar, por exemplo, o ocorrido em São Lourenço do Sul, no Rio Grande do Sul. Muitos elementos e fatores podem ser elencados na análise desses acontecimentos trágicos.

Como fatores agravantes dos eventos naturais em nosso estado, citam-se:

I. O aumento das precipitações, que podem ocasionar avanços do nível de cursos de água para o leito de vazante.

II. O corte da mata ciliar, que favorece o desmoronamento das encostas, agravando o processo de assoreamento.

III. A utilização antrópica do leito maior dos rios e dos riachos, interferindo no processo natural de escoamento e infiltração das águas superficiais.

IV. O assoreamento da calha dos cursos de água, diminuindo a condição natural de escoamento e aumentando o volume de água nas margens de rios e riachos.

V. A manutenção da cobertura vegetal natural nas planícies de inundação.

São fatores agravantes apenas

a) I e IV.

b) I, II e V.

c) II, III e IV.

d) II, III e V.

e) III, IV e V.

 

02. [UFSC]: O assoreamento, em especial nas áreas urbanas, pode trazer consequências ambientais adversas para a população. As afirmativas a seguir apresentam as principais consequências desses processo.

I) O assoreamento pode ocasionar a redução ou eliminação da navegabilidade do curso d’água assoreado. A formação de bancos de areia é uma consequência do assoreamento.

II) O aumento da quantidade de espécies de peixes também é resultante do agravamento do assoreamento.

III) A escassez de água para o abastecimento das cidades e para a utilização nas atividades agrícolas pode ser ocasionada pelo assoreamento dos rios.

Estão corretas as alternativas:

a) II e III.

b) I e III.

c) I e II.

d) Todas as alternativas.

e) Apenas a alternativa II.

01. [PUC]

Resposta: C

A retirada da cobertura vegetal nas margens dos cursos d’água contribui para o agravamento do processo de assoreamento, assim como a utilização antrópica do leito maior dos rios. O assoreamento interfere na condição natural de escoamento e aumenta o volume de água nas margens de rios e riachos, podendo provocar enchentes.

 

02. [UFSC]

Resposta: B

Ao contrário do que afirma a alternativa II, o assoreamento provoca a diminuição da biodiversidade dos rios, uma vez que modifica a vazão dos cursos d’água e altera sua composição.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO