Força Atrito

A força atrito tem como definição ser uma força que se contrapõe ao movimento dos corpos.

A força atrito corresponde a força de oposição ao movimento de um dado corpo. Ela pode ser de dois diferentes tipos: estática, quando os corpos estivem em repouso; dinâmica, quando corpos estão em movimento.

Na Física, ao adentramos no mundo dos cálculos de força, aceleração e velocidade, comumente encontramos “superfícies lisas sem condição de atrito”. Sendo assim, um dado corpo se deslocaria – a partir de uma força aplicada – sem parar ou sofrer interrupções.

Estas interrupções (e consequentes desacelerações) seriam o que definimos por força atrito. E, no momento que essa força é aplicada, é quando trazemos a realidade para a física aplicada.

força atrito
Representação de superfície lisa. (Imagem: Reprodução)

Isso porque é notório de que a superfície lisa é um caso utópico. Mesmo uma superfície ensaboada, com glicerina ou graxa, ela ainda terá sutis atritos agindo sobre um corpo.

Sempre que um corpo recebe uma força sobre uma dada superfície, este, consequentemente, parará em algum momento. É a força atrito que fará com que ele pare, mesmo que vagarosamente.

Características da força atrito

Essa força se caracteriza por:

  • Opor-se ao movimento;
  • Dependerá da natureza das superfícies em que o corpo se encontra;
  • Será igualmente proporcional à força dos corpos atuantes;
  • Terá capacidade de transformar a energia contida no corpo em outro tipo, assim que for liberada no meio em questão;

Dessa maneira, o cálculo da força atrito será:

Fat = μ . N

Onde:

  • μ será para o coeficiente de atrito, de caráter adimensional;
  • N será para Força Normal (N)

Tipos de Forças atrito percebidas

Ao empurrar um automóvel, por exemplo, é notável o carro entrando em movimento. Percebe-se, assim, a força necessária exigida para que ele entre em movimento, já que há outras forças agindo impedindo que o empurrão seja mais eficiente.

Assim, perceberemos a força necessária para fazer o carro entrar em movimento, bem como a força para mantê-lo em movimento. É nesse ponto que surgirá o atrito dinâmico e estático.

Atrito estático

Ele atua no momento em que não há qualquer tipo de deslizamento dos corpos. A força de atrito estático máximo é a força mínima para que o corpo comece a entrar em movimento.

Parado, um corpo precisa de uma força atrito maior do que a força a ser aplicada. Por meio disso, o uso do cálculo usando o coeficiente de atrito estático (μest) se faz necessário.

Temos, assim:

Fatest = μest . N

Atrito dinâmico

Atuará enquanto o corpo estiver em movimento. No momento em que se ultrapassa a força de atrito estática, o corpo entrará em movimento. Consequentemente, passa-se a considerar a força de atrito dinâmico.

Essa força será sempre menor que a força primária aplicada, pois ela apenas manterá um corpo em movimento. Para o cálculo é utilizado o coeficiente de atrito cinético (

Quando a força de atrito estático for ultrapassada pela força aplicada ao corpo, este entrará em movimento, e passaremos a considerar sua força de atrito dinâmico. A força de atrito dinâmico é sempre menor que a força aplicada, no seu cálculo é utilizado o coeficiente de atrito cinético (μd).

Fatd = μd . N

Referências

Física Básica – Volume Único, por Nicolau Gilberto Ferraro, Paulo de Toledo Soares e Ronaldo Fogo

Mateus Bunde
Prof. Mateus Bunde

Graduado em Jornalismo pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Especialista em Linguagens pelo Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSul) e Mestrando em Comunicação pela Universidade do Porto, de Portugal (UP/PT).

Teste seu conhecimento

01. [FATEC] Um motorista conduzia seu automóvel de massa 2 000 kg que trafegava em linha reta, com velocidade constante de 72 km/h, quando avistou uma carreta atravessada na pista. Transcorreu 1 s entre o momento em que o motorista avistou a carreta e o momento em que acionou o sistema de freios para iniciar a frenagem, com desaceleração constante igual a 10 m/s2. Antes de o automóvel iniciar a frenagem, pode-se afirmar que a intensidade da resultante das forças horizontais que atuavam sobre ele era

a) nula, pois não havia forças atuando sobre o automóvel.

b) nula, pois a força aplicada pelo motor e a força de atrito resultante atuavam em sentidos opostos com intensidades iguais.

c) maior do que zero, pois a força aplicada pelo motor e a força de atrito resultante atuavam em sentidos opostos, sendo a força aplicada pelo motor a de maior intensidade.

d) maior do que zero, pois a força aplicada pelo motor e a força de atrito resultante atuavam no mesmo sentido com intensidades iguais.

e) menor do que zero, pois a força aplicada pelo motor e a força de atrito resultante atuavam em sentidos opostos, sendo a força de atrito a de maior intensidade.

 

02. [FATEC] O bloco da figura, de massa 5 Kg, move-se com velocidade constante de 1,0 m/s num plano horizontal, sob a ação da força F, constante e horizontal.

Bloco sendo puxado por uma força F
Bloco sendo puxado por uma força F

Se o coeficiente de atrito entre o bloco e o plano vale 0,20, e a aceleração da gravidade, 10m/s2, então o módulo da força F, em Newtons, vale:

a) 25

b) 20

c) 15

d) 10

e) 5

01. [B]

02. [D]

Compartilhe nas redes sociais

TOPO