Sentidos do corpo humano

São cinco os sentidos da espécie humana, sendo que cada um tem sua relação direta com uma parte diferente do cérebro.

Os cinco sentidos do corpo humano são o tato, gustação (ou paladar), olfato, audição e visão constituem um conjunto de funções que propicia o seu relacionamento com o ambiente.

Por meio dos sentidos, o nosso corpo pode perceber tudo o que nos rodeia; e, de acordo com as sensações, decide o que lhe assegura a sobrevivência e a integração com o ambiente.

Onde quer que estejamos, o ambiente ao nosso redor está sempre se alterando.

5 sentidos do corpo humano
Imagem: Reprodução

Calor e frio, dia e noite, silêncio e ruídos, odores, sabores e mais uma infinidade de estímulos do meio ambiente são captados pelos nossos órgãos dos sentidos.

Os 5 sentidos do corpo humano

É dessa forma que tomamos conhecimento do que acontece à nossa volta.

A visão

O olho, o órgão responsável pela visão, está alojado na órbita, cavidade óssea que lhe serve como proteção.

Consta de três membranas concêntricas, chamadas esclerótica, coroide e retina e de três corpos transparentes denominados humor aquoso, cristalino e vítreo.

Possui um disco vertical a íris, de cor variável, o qual tem um pequeno buraco chamado pupila. A retina é a membrana mais interna e está debaixo da membrana coroide.

Imagem: Reprodução

O nervo óptico (primeiro par cranial), ao atravessar a membrana esclerótica e a coroide na sua parte posterior, se ramifica em numerosas fibras.

O mecanismo da visão pode-se entender melhor ao comparar o globo ocular com a câmara escura de uma máquina fotográfica; o cristalino como se fosse a objetiva; a Íris, o diafragma, e a retina seria a placa ou película.

Desta maneira, os raios luminosos penetram na córnea e no humor aquoso, passando pela pupila.

Ao chegar ao cristalino e seguindo as leis da refração o raio luminoso atravessa as lentes biconvexas dando uma imagem invertida, enquanto o cristalino se acomoda enfocando a imagem na retina e conseguindo-se uma clara visão.

A audição

O ouvido humano, responsável pelo sentido da audição, é um órgão altamente sensível que nos capacita a perceber e interpretar ondas sonoras em uma gama muito ampla de frequências (20 a 20.000 Hz).

A energia sonora é captada pelo pavilhão auditivo (orelha) e penetra pelo conduto auditivo que termina em uma delicada membrana – o tímpano.

Imagem: Reprodução

O tímpano transforma as vibrações sonoras em vibrações mecânicas que são comunicadas aos ossículos (martelo, bigorna e estribo).

Os ossículos funcionam como alavancas, aumentando a força das vibrações mecânicas e reduzindo sua amplitude.

É também através dos ossículos que o ouvido tem a capacidade de “ouvir mais” ou “ouvir menos”.

Esse controle é feito através de pequenos músculos que posicionam os ossículos em condições de transferirem toda ou apenas parte de energia mecânica recebida do tímpano.

Assim, quando ouvimos uma brecada violenta de um automóvel, instintivamente esperamos pelo barulho da batida, automaticamente os ossículos são posicionados para que ouçamos tal barulho com menos intensidade.

O último ossículo, o estribo, pressiona a janela oval do caracol. Aí as vibrações mecânicas se transformam em ondas de pressão hidráulica que se propagam no fluído que preenche o caracol.

Finalmente, as ondas no fluído são detectadas pelas células ciliadas que enviam ao cérebro sinais nervosos (elétricos) que são interpretados como som.

O olfato

A cavidade nasal, que começa a partir das janelas do nariz, órgão responsável pelo olfato, está situada em cima da boca e debaixo da caixa craniana.

E é forrada por um epitélio secretor de muco. Ao circular pela mesma, o ar se purifica, umedece e esquenta.

O órgão olfativo do sentido do olfato é a mucosa que forra a parte interior e superior das fossas nasais, chamada de mucosa amarela, para distingui-la da vermelha, que é a que cobre a parte inferior.

Imagem: Reprodução

A mucosa vermelha é dessa cor por ser muito rica em vasos sangüíneos, e contém glândulas que segregam um muco que mantém úmida a região.

A mucosa amarela é muito rica em terminações nervosas do nervo olfativo. As fossas nasais apresentam três pregas duplas, separadas por meatos que se dividem em superior, médio e inferior.

Os das inferiores recobrem os cornetos ósseos, e sua função é aumentar em pouco espaço a superfície sensorial.

Os produtos voláteis ou gases perfumados que se desprendem das diversas substâncias, ao ser inspirados, entram nas fossas nasais e se dissolvem, se é que não estão suficientemente volatilizados, no muco que impregna a mucosa.

Desagregados nele, excitam as terminações ao centro olfativo do córtex cerebral, e nos produzem a sensação de cheiro ou odor.

O paladar

A língua é um órgão sensorial e, ao mesmo tempo, muscular. Como órgão sensorial é o responsável pela detecção do gosto, textura, temperatura e, em componentes químicos irritantes no alimento.

Como órgão muscular, é responsável por ajudar a movimentar o alimento dentro da boca, iniciar a deglutição e na articulação das palavras durante a fala.

Gustação (ou paladar) é o nome que damos à sensibilidade gustativa, mediada pelos botões gustativos. São em torno 4000 unidades gustativas espalhadas no interior da boca, principalmente sobre a língua (75%).

Imagem: Reprodução

Cada botão gustativo é formado de 40 a 60 células sensoriais e mais algumas células de sustentação.

As células sensoriais possuem uma porção ciliada (com microvilos) mergulhada em um poro gustativo.

A base da célula ciliada faz sinapse com neurônios cujas fibras nervosas enviam as informações para o encéfalo.

Os botões gustativos da língua situam-se em estruturas chamadas papilas. Há três tipos de papilas gustativas: fungiformes (2/3 anterior da língua), foliáceas e as circunvaladas (1/3 posterior).

Além da língua, há botões gustativos espalhados pela faringe, laringe e porção mais alta do esôfago. É interessante notar que as células sensoriais renovam-se continuamente (10 a 14 dias).

Reconhecemos classicamente 4 tipos de sabores: doce, salgado, ácido e amargo.

No entanto, os cientistas descobriram que há mais duas qualidades dos alimentos que podem ser detectadas: umami (delicioso em japonês) causado pelo aminoácido glutamato presente nas fontes de proteína animal (carne, leite, etc.) e o sentido gustativo por ácidos graxos (gordura).

O tato

Ao contrário do que muitas pessoas pensam o órgão que representa o tato não são as mãos, esse sentido não se encontra em uma região específica, pois todo o corpo possui terminações nervosas responsáveis pela percepção do toque.

Imagem: Reprodução

O tato é o primeiro sentido que desenvolve nos seres humanos. É pelo tato que sentimos as propriedades dos corpos físicos: sua dureza e textura.

Existem três tipos de sensibilidade no tato:

  • Mecânica: É responsável pela percepção da pressão, movimentos leves e distensões da pele.
  • Térmica: É responsável pela percepção do frio, calor. Reage a estímulos que vem de fora.
  • Dolorosa: É responsável por captar pressões fortes e vibrações: os órgãos são os lábios, papilas mamárias, clitóris e o pênis.

Discute-se ainda o fato de existirem receptores nervosos diferenciados para vários tipos de pressão: pressão ligeira e intensa ou pressão breve e permanente – o que implicaria, talvez, a subdivisão deste sentido em outros.

Referências

The Online Biology Book – Estrella Mountain Community College

Luana Bernardes
Prof. Luana Bernardes

Graduada em História pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e pós-graduada em Psicopedagogia Institucional e Clínica pela mesma Universidade.

Teste seu conhecimento

01. [UFF]: Quando se menciona a “cor dos olhos” de uma pessoa, está-se fazendo referência à coloração da estrutura do globo ocular denominada:

a) pupila.

b) cristalino.

c) córnea.

d) íris.

e) globo ciliar.

02. [UEL]: No organismo humano, os receptores sensoriais responsáveis pelos sentidos do olfato podem ser classificados como:

a) propriorreceptores.

b) mecanorreceptores.

c) quimiorreceptores.

d) fotorreceptores.

e)termorreceptores.

01. [UFF]
Resposta: D
A íris é o disco colorido do olho e atua regulando a quantidade de luz que entra nessa estrutura.

02. [UEL]
Resposta: C
Os quimiorreceptores no olfato estão localizados no epitélio olfatório, onde atuam captando informações a respeito de substâncias químicas dissolvidas no ar.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO