Rubéola

A rubéola trata de uma infecção contagiosa provocada por um vírus, caracterizada por erupções vermelhas formadas sobre a pele.

A rubéola é uma enfermidade de caráter infecto-contagiosa, causada por um vírus e caracterizada por erupções vermelhas que se dispersam sobre a pele. É também denominada como sarampo alemão.

Causada pelo vírus Rubella, a rubéola é transmitida entre as pessoas por via respiratória, através do espirro ou da tosse. Altamente contagiosa, o paciente portador de rubéola pode transmitir o vírus numa larga escala de tempo; uma semana antes do aparecimento das erupções até duas semanas após o desaparecimento das mesmas.

Assim, uma pessoa poderá transmitir antes mesmo de ter o diagnóstico da enfermidade. A rubéola pode também ser congênita, ou seja, transmitir da mãe portadora para o feto durante o período de gravidez.

rubéola
(Imagem: Reprodução)

Sintomas da rubéola

A rubéola costuma apresentar sintomas sutis a serem notados, sobretudo quando crianças são contagiadas pelo vírus. Ao aparecerem, os sinais da doença demoram a se manifestar, geralmente entre duas e três semanas.

Além disso, costumam durar entre 48 e 72 horas. Entre os principais sintomas estão o surgimento das erupções sobre a pele, surgidas em princípio no rosto, espalhando-se ao longo do tronco e membros periféricos.

Abrangendo os sintomas supracitados, outros observados após infecção do vírus são:

  • Dor de cabeça acompanhada de febre leve;
  • Inflamação ocular com olhos bastante vermelhos;
  • Nariz congestionado;
  • Nódulos observados na região da nuca e orelhas;
  • Sensação de mal-estar e desconforto;
  • Dores nas articulações e músculos;

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico da rubéola se dá através de exames laboratoriais após esfrego de garganta ou nariz para identificar a existência do vírus. Feito isso, um exame de sangue pode verificar e atestar se a pessoa está imune à enfermidade.

Para mulheres grávidas, caso o exame dê resultado negativo, elas deverão receber a vacinação. Esta é a importância maior em gestantes de fazer regularmente os exames para verificação da rubéola.

O tratamento da infecção do vírus inexiste. Contudo, os sintomas leves não exigem um tratamento rigoroso; este, portanto, torna-se desnecessário.

Entretanto, a fim de eliminar a possibilidade de transmissão do vírus, o reforço das vacinas se faz recomendado. Além disso, os pacientes deverão permanecer isolados em casa até que o período de contágio passe.

Prevenção da doença

A prevenção da rubéola se dá por meio da vacinação. Recomendada para as crianças de todas as idades, ela é geralmente aplicada em bebês na faixa dos 12 aos 15 meses.

A segunda vacina de reforço também é um modo de prevenção, mais especificamente entre os quatro e seis anos. A vacina é denominada como tríplice viral, protegendo o indivíduo contra caxumba, sarampo e a rubéola.

Referências

JUNQUEIRA, C. Luiz e CARNEIRO, José. Biologia Celular e Molecular, Editora Guanabara/Koogan, 8ª edição. 2005, 332 p.

Mateus Bunde
Por Mateus Bunde

Graduado em Jornalismo pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Especialista em Linguagens pelo Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSul) e Mestrando em Comunicação pela Universidade do Porto, de Portugal (UP/PT).

Exercícios resolvidos

1. [PUC]

Considere as seguintes possibilidades de transmissão de um agente patogênico:

I- transfusão de sangue

II- aperto de mão e abraço

III- uso de banheiros públicos

IV- relações sexuais

V- uso de seringas, material cirúrgico e agulhas

O vírus da AIDS pode ser transmitido, comprovadamente, por meio de APENAS

a) I, II e III

b) I, IV e V

c) II, III e IV

d) II, IV e V

e) III, IV e V

Resposta: B

2. [UFES]

Atualmente, muitas doenças têm preocupado a população mundial, tais como a AIDS, a febre amarela, o possível retorno da varíola e, mais recentemente, a SARS. Todas elas são causadas por vírus, e sobre esses organismos é INCORRETO afirmar que

a) são, estruturalmente, semelhantes às bactérias, podendo apresentar DNA ou RNA como material genético.

b) apresentam ciclos de vida lítico ou lisogênico. No ciclo lítico, determinam a destruição da célula infectada.

c) comandam o metabolismo celular do hospedeiro para a produção de proteínas de seu capsídeo e duplicação do seu material genético.

d) apresentam a enzima transcriptase reversa, quando têm RNA como material genético, que produz um DNA viral para ser integrado ao DNA do hospedeiro.

e) são parasitas obrigatórios, mas alguns podem sobreviver cristalizados por muitos anos.

Resposta: A

Compartilhe nas redes sociais

TOPO