Penicilina

A penicilina é um antibiótico descoberto de forma acidental em 1928.

A penicilina é um antibiótico que foi descoberto após um acidente, no ano de 1928. O médico e professor, Alexander Fleming, foi o responsável pela descoberta.

O pesquisador notou, inicialmente, ao estudar o gênero bactericida Staphylococcus (estafilococos), o crescimento de um microrganismo a qual é mencionado como bolor,  este possuindo propriedade de inviabilizar desenvolvimento de bactérias.

Tal microrganismo responsável por esse efeito foi o Penicillium chrysogenum, um fungo de característica anamórfica. Esses fungos anamórficos são estruturas cujo tipo de reprodução é assexuada, e fazem parte do ciclo de vida de fungos acomicetos, a qual possuem fase sexuada.

Dessa maneira, as hifas (filamentos celulares que podem apresentar diversos núcleos) presentes nesses fungos são capazes de formar inúmeros diferentes conidiomas. Estes, por sua vez, são constituídos por conidióforos, conídios e células conidiogênicas.

penicilina
(Imagem: Reprodução)

Descoberta da penicilina e suas ações no corpo

A penicilina representava o desenvolvimento e a evolução no que tangia a indústria farmacêutica. Os medicamentos sofreram, assim, uma revolução, e a constituição dos fármacos começava a ganhar corpo.

Foi considerada como um milagre para a época, e até os dias de hoje, 90 anos depois, segue sendo o antibiótico mais utilizado em todo o mundo.

A penicilina tem uma ação precisa, embora básica, no corpo. Ao entrar no organismo, ela provoca a ruptura da membrana plasmática, o que acaba desprotegendo, desta maneira, toda a estrutura da célula bacteriana.

Essa ruptura inibe a síntese da parede celular, provocando a morte da bactéria. O termo antibiótico, etimologicamente, significa “contra a vida”, fazendo referência ao combate da vida bacteriana no organismo.

Alexander Fleming

O médico escocês Alexander Fleming foi o responsável pela descoberta da penicilina. A partir do mofo, ele teria desvendado acidentalmente o antibiótico mais utilizado no mundo atualmente, após surgir imprevisivelmente em uma cultura de bactérias que ele observava.

No ano de 1924 ele publicaria sua descoberta no “British Journal of Experimental Pathology”, e passaria a ter reconhecimento internacional. Duas décadas seguintes, a descoberta do medicamento lhe renderia o Nobel de Medicina.

Estudos contemporâneos da penicilina

Estudos contemporâneos quanto à penicilina demonstram que civilizações antigas já usufruíam do pão embolorado, e teia de aranha para combate a ferimentos.

O desenvolvimento dos estudos, porém, a partir do século XX, fez com que muitas doenças acometidas por bactérias acabassem sendo, de fato, curadas.

O momento histórico mais significativo fora a segunda guerra mundial. Em meados dos anos 1940 com o advento da guerra, a penicilina foi o fator para salvar a vida de milhares de soldados.

Exatamente nessa década que o medicamento foi disponibilizado ao público, quando tratou a infecção sanguínea de um paciente em Londres. Foi assim que a penicilina ganhou a alcunha de “medicamento milagreiro”.

 

Referências

JUNQUEIRA, C. Luiz e CARNEIRO, José. Biologia Celular e Molecular, Editora Guanabara/Koogan, 8ª edição. 2005, 332 p.

Mateus Bunde
Por Mateus Bunde

Graduado em Jornalismo pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Especialista em Linguagens pelo Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSul) e Mestrando em Comunicação pela Universidade do Porto, de Portugal (UP/PT).

Exercícios resolvidos

1. [PUC]

O termo ‘superbactérias’ é atribuído às bactérias que desenvolvem resistência a, praticamente, todos os antibióticos. Vários fatores estão envolvidos na disseminação desses micro-organismos multirresistentes, incluindo o uso abusivo de antibióticos, procedimentos invasivos (cirurgias, implantação de próteses médicas e outros) e a capacidade das bactérias de transmitir seu material genético.

A partir da leitura do texto e de seus conhecimentos de biologia, é correto afirmar que

a) os antibióticos provocam alterações diretas no RNA, que é o material genético das bactérias.

b) os antibióticos provocam alterações diretas no DNA, que é o material genético das bactérias.

c) os antibióticos provocam alterações diretas nas proteínas bacterianas, uma vez que esses polipeptídeos constituem o material genético desses procariontes.

d) bactérias portadoras de mutações provocadas por antibióticos perdem a capacidade de transmitir genes a seus descendentes.

e) Na população em geral, e principalmente no ambiente hospitalar, há uma seleção de genes bacterianos que determinam resistência a antibióticos.

Resposta: E

Compartilhe nas redes sociais

TOPO