Níveis Tróficos

Níveis tróficos são atribuições niveladas introduzidas em cadeias e teias alimentares para identificar produtores, consumidores e decompositores.

Em uma cadeia ou teia alimentar, os níveis tróficos sempre precisarão estar em delimitação clara. Isso porque, ao serem observadas as relações de alimentação existente ente os seres de um dado ambiente/ecossistema, percebem-se as classes tróficas de cada integrante.

Ou seja, de forma mais básica, identifica-se e indica-se as relações de alimentação entre eles, sobre quem oferece energia alimentar para quem. Nas cadeias e teias alimentares, essa classificação recebe o nome de níveis tróficos.

níveis tróficos
(Imagem: Reprodução)

Níveis tróficos: o que são?

Os níveis tróficos, basicamente, são os denominados grupos de organismos organizados, separados e diferenciados os quais são agrupados igualmente pelos semelhantes hábitos alimentares.

Dessa maneira, a forma em que eles conseguirão tal alimento será determinante para o nível trófico que integrarão dentro da cadeia alimentar. Todos os animais carnívoros, por exemplo, ocuparão o mesmo nível trófico.

Os níveis tróficos

Os níveis tróficos são divididos em três diferentes: produtores, consumidores e decompositores.

Produtores

Capacidade de produção do próprio alimento, sendo, assim, seres autótrofos. Organismos produtores são tidos como a base de toda cadeia alimentar, ocupando, assim, o primeiro nível trófico da teia ou cadeia alimentar.

(Imagem: Reprodução)

São observadas neste grupo as plantas e as algas, que realizam a fotossíntese para obtenção do próprio alimento.

Consumidores

Organismos heterótrofos, cuja característica é a incapacidade de produção do próprio alimento. Sendo assim, eles precisam ingerir matéria orgânica (autótrofos) para nutrir o organismo e produzir energia para realização de suas atividades diárias.

(Imagem: Reprodução)

Os organismos consumidores possuem ainda uma subdivisão, em primários, secundários, terciários e em diante. Consumidores do tipo primário se alimentam dos organismos produtores, os secundários se alimentam dos primários e os terciários se alimentam dos secundários.

A cadeia alimentar se forma, até que a última subdivisão dos consumidores se decomponha.

Decompositores

Por fim, os decompositores também são tidos como heterótrofos, afinal não produzem seu próprio alimento. Entretanto, diferentemente dos consumidores, eles apenas realizam o processo de decomposição, sem a caça.

(Imagem: Reprodução)

Os decompositores principais são as bactérias e os fungos. Estes são a garantia de que nutrientes fundamentais sejam devolvidos à natureza. Dessa forma, em um ciclo, os decompositores estarão, indiretamente, “alimentando” os produtores.

Referências

JUNQUEIRA, C. Luiz e CARNEIRO, José. Biologia Celular e Molecular, Editora Guanabara/Koogan, 8ª edição. 2005, 332 p.

Mateus Bunde
Prof. Mateus Bunde

Graduado em Jornalismo pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Especialista em Linguagens pelo Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSul) e Mestrando em Comunicação pela Universidade do Porto, de Portugal (UP/PT).

Exercícios resolvidos

1. [UFRJ]

A vida leva e traz,

A vida faz e refaz,

Será que quer achar

Sua expressão mais simples?

Os versos de autoria de José Miguel Wisnik podem ser traduzidos, no âmbito da Biologia, para os diversos ecossistemas existentes. Neles, os seres vivos ocupam diferentes nichos, participando do ciclo da matéria.

Dentre os seres abaixo relacionados, aqueles que devolvem a matéria à sua expressão mais simples, para reiniciar o ciclo, são os:

a) produtores.
b) herbívoros.
c) decompositores.
d) consumidores de 3º ordem.

Resposta: C

2. [FUVEST]

O cogumelo shitake é cultivado em troncos onde suas hifas nutrem-se das moléculas orgânicas componentes da madeira. Uma pessoa, ao comer cogumelos shitake, está se comportando como:

a) produtor.
b) consumidor primário.
c) consumidor secundário.
d) consumidor terciário.
e) decompositor.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO