HPV

O HPV é um vírus sexualmente transmissível que pode causar câncer de colo do útero, bem como outros sintomas, mas possui formas de prevenção e tratamento.

O HPV é a sigla usada para designar o Human Papiloma Virus, ou Vírus do Papiloma Humano. O HPV é uma doença sexualmente transmissível, considerada a mais comum do mundo, uma vez que, segundo estudos, mais da metade das pessoas sexualmente ativas vão contrair o vírus em algum momento de sua vida. Mais de 54% dos jovens brasileiros, entre 16 e 25 anos, possuem HPV.

Trata-se de um vírus que, normalmente, o organismo humano consegue eliminar naturalmente, mas existem casos em que o HPV consegue se instalar, trazendo a doença. Apesar de existirem 200 tipos diferentes de vírus, a maioria não causa qualquer problema, e enquanto alguns outros podem causar verrugas, outros estão ligados ao desenvolvimento de câncer. Estima-se que mais de 95% dos casos de câncer de colo do útero estejam ligados à presença desse vírus no organismo.

Transmissão

A transmissão do vírus pode acontecer de diversas formas, sendo o mais comum o sexo desprotegido. Há estimativas de que 10% das mulheres terão contato, já em sua primeira relação sexual, com o vírus, que pode afetar os órgãos genitais, o ânus e até mesmo a garganta através do sexo oral. A melhor forma de prevenção para esse tipo de transmissão, é o uso de preservativos, visto que há um grande número de portadores que sequer sabem que possuem o vírus.

Imagem: Reprodução

Outra forma de transmissão, é o contato direto dos dedos, mãos ou pele em geral, com a genitália ou partes saudáveis da pele é uma forma possível de transmissão. É, entretanto, significativamente improvável, seja de uma pessoa para outra, ou para partes do corpo de um mesmo paciente.

É possível, ainda, que o bebê contraia o vírus HPV durante o parto, caso sua mãe possua a doença. Caso haja verrugas no momento do parto, na região vaginal, recomenda-se que seja feita a cesárea.

Existe uma pequena possibilidade, bastante rara, de que objetos sejam contaminados por um indivíduo portador do vírus, e acabe por transmitir a doença para outra. São exemplos de forma de transmissão com objetos o compartilhamento de roupas íntimas, toalhas ou lâminas, que, ainda que improvável, é possível.

A transfusão de sangue também pode ser capaz de transmitir o sangue, mas também é raro. Existem estudos realizados para encontrar essa relação de transmissão, mas todos foram inconclusivos, visto que outras maneiras de contração da doença podem acabar afetando os resultados.

Tipos de HPV

Como mencionamos anteriormente, existem diversos tipos de vírus HPV, podendo ou não causar problemas de saúde em seus portadores. Confira abaixo os principais deles, e os que mais apresentam sintomas.

Tipos 1 e 2

Esses tipos são causadores de verrugas, podendo passar de um lugar para o outro do corpo através do contato, bem como de pessoa para pessoa. São do tipo de infecta a pele, principalmente o rosto, os pés e as mãos, visto que permanecem expostos por mais tempo.

Tipos 6 e 11

Os tipos 6 e 11, por sua vez, são mais frequentes em mulheres. Ainda que hajam outros tipos que afetem a região genital, estes representam 90% dos casos nessa área. São causadores de verrugas, denominadas condilomas acuminados, podendo surgir na vulva, no pênis e no ânus.

Tipos 16, 18, 31 e 45

Cânceres de vulva, pênis, ânus, pescoço, cabeça e colo do útero estão relacionados a estes tipos do vírus. Mais de 95% dos cânceres de colo de útero estão associados a este tipo de HPV.

Câncer de colo do útero

Já esclarecemos anteriormente que o câncer de colo do útero pode estar relacionado ao HPV, enquanto 95% dos casos são causados diretamente pelo vírus, não se tem com clareza os motivos das causas dos outros 5%. Todas as mulheres que têm câncer de colo do útero, entretanto, apresentam o vírus HPV no organismo. É importante, entretanto, esclarecer, que nem todas as mulheres que contraem o HPV desenvolverão o câncer.

Vacinação e tratamento

Existe uma vacina capaz de proteger o paciente contra o vírus, sendo mais efetiva quando aplicada antes dos 15 anos. Meninos e meninas podem ser infectados, e todos devem tomar a vacina. Ainda que o HPV não tenha cura clínica, e que o organismo normalmente consiga lidar sozinho com o vírus, a erradicação completa do patógeno se torna bastante complicada quando o corpo não faz isso de forma espontânea. Os tratamentos, portanto, são usados como formas de reduzir os sintomas e evitar complicações.

O tratamento envolve medicamentos para os sintomas, que são aplicados diretamente sobre as verrugas, bem como medicamentos imunomoduladores, que estimulam o organismo e o sistema imunológico no combate ao vírus. A remoção das verrugas pode ser feita ainda através de procedimento cirúrgico com uso de bisturi, crioterapia e laserterapia.

Referências

http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/hpv

Por Natália Petrin
Como referenciar este conteúdo

Petrin, Natália. HPV. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/biologia/hpv. Acesso em: 12 de July de 2020.

Teste seu conhecimento

01. [ENEM] Nem todas as doenças sexualmente transmissíveis possuem sintomas, sendo assim, não é possível descobrir se uma pessoa apresenta alguma DST apenas olhando para ela. Baseando-se nessa informação, marque a única alternativa que não garante a prevenção contra uma dessas doenças:

a) Usar camisinha em toda relação sexual.

b) Nunca compartilhar seringas.

c) Não compartilhar objetos de uso pessoal, como lâmina de barbear.

d) Não compartilhar roupas íntimas.

e) Utilizar sempre métodos comportamentais nas relações sexuais.

02. [ENEM] O HPV provoca uma doença que ocasiona uma verruga genital, além de ter relação direta com o câncer do colo do útero. Analise as alternativas a seguir e marque o nome da DST provocada pelo HPV.

a) Herpes genital.

b) Gonorreia.

c) Sífilis.

d) Condiloma acuminado.

e) Cancro mole.

01. [E]

02. [D]

 

Compartilhe

TOPO