Estômatos

Os estômatos são pequenas estruturas localizadas nas folhas. Sua função é realizar a comunicação da parte interna das plantas com a atmosfera, sendo essenciais para a realização da fotossíntese.

Os estômatos, ou também chamados de estomas, são pequenas aberturas na epiderme dos vegetais. São formados a partir de um conjunto de células, localizado na parte inferior da epiderme das folhas. Sua função é gerar a comunicação da parte interna das plantas com a atmosfera. Esse contato propicia um canal que realiza troca de gases, além da transpiração vegetal.

A região da epiderme é, geralmente, o tecido mais externo do vegetal, apresentando-se em crescimento primário. Tal tecido é normalmente formado a partir de uma ou mais camadas de células. Caso o tecido da epiderme seja formado por mais camadas de células, ele se denominará epiderme múltipla.

Ilustração: Todo Estudo

É na epiderme vegetal que os estômatos são encontrados. Além destes, os pelos absorventes, os tricomas e outras estruturas epidérmicas básicas também se encontram na região. Delimitando-se mais aos estômatos, estes são observados normalmente nas folhas. Relacionados, assim, à entrada e saída de gases, eles também controlam a liberação ou absorção do vapor de água. Os estômatos, portanto, estão intimamente relacionados à fotossíntese.

Localização dos estômatos e suas denominações

Não há uma localização definida para os estômatos. Eles podem estar localizados tanto em ambas as faces de uma folha, como disposto em apenas um dos lados. Quando são encontrados em ambos os lados, denomina-se folha anfistomática. Enquanto isso, quando são encontrados na face inferior (ou abaxial) são chamadas de folha hipoestomática. Por fim, quando encontrados na face superior (adaxial) denomina-se folhas epistomática. Geralmente as folhas com estômatos adaxial são encontradas em plantas aquáticas flutuantes.

Assim como a localização, não há como estipular o número de estômatos em uma folha. Variando segundo a espécie, ela também possui alternância de acordo com o indivíduo igual de uma mesma espécie. As variações de clima e o habitat que estão inseridos também podem ser considerados um fator para definir a quantidade. Comumente em disposição aleatória numa folha, os estômatos acabam formando faixas em algumas espécies. Em algumas monocotiledôneas esse padrão de faixas é observado, bem como em coníferas.

Formação dos estômatos

O estômato é formado por um par de células, denominadas células-guarda, elas delimitam uma abertura, a qual chama-se ostíolo. O ostíolo, por sua vez, estabelece a comunicação com o espaço intercelular, localizado em região abaixo da epiderme. Esta região é chamada de Câmara Subestomática.

Existem algumas plantas que apresentam células que circundam as células-guardas. A estas denomina-se células subsidiárias. Variando a forma destas células circundantes e sua disposição, os estômatos encontrados acabam recebendo diferente classificação.

Os tipos de estômatos são classificados a partir da disposição, presença ou ainda ausência das células subsidiárias. Estes, então, podem ser:

  • Anomocítico: não apresentam células subsidiárias;
  • Anisocítico: apresentam três células subsidiárias, todas de tamanhos diferentes;
  • Paracítico: apresentam duas células subsidiárias, com os eixos maiores em disposição paralela às células-guarda;
  • Diacítico: apresentam duas células subsidiárias, com os eixos maiores em disposição perpendicular às células-guarda;

Inúmeros fatores podem ser os responsáveis por abrir e fechar os estômatos. O principal, contudo, seria a quantidade de luz presente no habitat. Os estômatos têm sua abertura pela manhã, geralmente, aumentando gradualmente de acordo com a incidência solar. Ao diminuir a luz incidida sobre a planta, os estômatos passam a se fechar.

Referências

JUNQUEIRA, C. Luiz e CARNEIRO, José. Biologia Celular e Molecular, Editora Guanabara/Koogan, 8ª edição. 2005, 332 p.

Mateus Bunde
Por Mateus Bunde

Graduado em Jornalismo pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Especialista em Linguagens pelo Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSul) e Mestrando em Comunicação pela Universidade do Porto, de Portugal (UP/PT).

Como referenciar este conteúdo

Bunde, Mateus. Estômatos. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/biologia/estomatos. Acesso em: 27 de September de 2020.

Teste seu conhecimento

01. [Faap-SP] O eucalipto é um tipo de árvore muito utilizado em locais encharcados de água para “secar” o solo, pois retira grande quantidade de água e a perde por meio da transpiração. O principal órgão que faz a transpiração e a estrutura pela qual sai vapor d’água são, respectivamente:

a) caule e lenticela.

b) folha e estômato.

c) flor e estômato.

d) raiz e lenticela.

e) caule e xilema.

 

02. [Mack] Considere as seguintes afirmações a respeito do mecanismo de fechamento e abertura dos estômatos.

I. As plantas, de uma maneira geral, têm seus estômatos abertos durante o dia e fechados à noite.
II. Em uma planta cujos estômatos estejam completamente fechados, a perda de água por transpiração cessa completamente.
III. Esse mecanismo depende do grau de turgor (turgescência) das células estomáticas.
IV. A presença de cloroplastos nas células estomáticas não tem relação com esse mecanismo.
Estão corretas apenas as afirmações
a) I e II.
b) I e III.
c) II e III.
d) I e IV.
e) II e IV.

01. [B]

02. [B]

Compartilhe

TOPO