Criacionismo

Criacionismo é a linha defendida por diversas religiões sobre a ideia de que o homem e o mundo foram criados por um ser superior.

Criacionismo é uma tese religiosa que contradiz a tese científica do evolucionismo, remetendo a um debate bastante amplo e intenso envolvendo não apenas religião e ciência, mas também a filosofia, relacionando-se às origens dos seres humanos.

Desde seus primórdios, o homem, a partir das manifestações religiosas, procura encontrar uma solução para o questionamento com relação à sua origem. A teoria criacionista é uma forma de tentar resolver essa questão, e no que se refere ao âmbito mítico-religioso, é a que possui maior aceitação. É claro que, além dessa teoria, diversas religiões ao redor do mundo apresentam suas próprias ideias e teorias a respeito da criação do mundo, do homem e dos seres vivos.

Conceito de Criacionismo

Imagem: Reprodução

Se formos partir de um conceito a respeito do criacionismo, precisamos ter em mente que se refere à uma forma de explicar a origem do mundo, atribuindo o surgimento de tudo, desde o planeta até os seres vivos, à um ser superior, que seria seu criador. A teoria ganhou muito espaço diante de diversas culturas ao redor do mundo, tendo esta ainda surgido antes de qualquer discurso científico que viesse a tratar da questão. Existem, entretanto, vertentes diferentes de criacionismo, que serão explanados nos tópicos a seguir.

Criacionismo no Cristianismo

Para o cristianismo, a Bíblia é a fonte de explicações para a origem dos homens e, segundo ela, o primeiro ser humano foi concebido após a criação, de Deus, do céu e da Terra. Feito a partir do barro, o homem, segundo essa teoria, ganhou vida a partir do sopro do fôlego da vida que Deus deu em suas narinas. Essa teoria é reformulada por outras religiões contemporâneas, chegando a ter pontos bastante semelhantes.

Criacionismo na Mitologia Grega

Para a mitologia grega, em contrapartida, o criacionismo é também uma teoria, porém atribui aos titãs Epimeteu e Prometeu a origem do homem. Segundo o criacionismo defendido na mitologia grega, Epimeteu havia criado os homens, imperfeitos, a partir do barro, mas sem vida. Seu irmão, Prometeu, por compaixão, roubou o fogo do deus Vulcano, dando vida à raça humana.

Criacionismo na Mitologia Chinesa

Segundo a mitologia chinesa, o homem foi criado por Nu Wa que, deusa que, diante de sua solidão, observou seu reflexo em um rio e resolveu criar seres que fossem feitos semelhantes à sua imagem.

Referências

Criacionismo vs. Evolucionismo – HLS Maia

Por Natália Petrin
Teste seu conhecimento

01. Pode-se dizer que o criacionismo caracteriza-se pela defesa do seguinte argumento:

a) todas as espécies de seres vivos existentes evoluíram ao logo do tempo, seguindo as leis da seleção natural.

b) a vida, o universo e todos os seres existentes não passaram a existir do nada sem que houvesse um ser superior e eterno que os tivesse concebido inteligentemente.

c) o desenvolvimento da vida e das grande diversidade de seres vivos independe de algo externo à materialidade da existência.

d) nenhum ser vivo pode ser tido como membro de uma espécie independentemente das leis da seleção natural.

e) Richard Dawkins, zoólogo britânico, contribui atualmente para o endosso do criacionismo, haja vista que acredita na existência de um lógica sobrenatural no curso da vida na Terra.

02. [UNESP] “O mundo seria ordenado demais, harmonioso demais, para que se possa explicá-lo sem supor, na sua origem, uma inteligência benevolente e organizadora. Como o acaso poderia fabricar um mundo tão bonito? Se encontrassem um relógio num planeta qualquer, ninguém poderia acreditar que ele se explicasse unicamente pelas leis da natureza, qualquer um veria nele o resultado de uma ação deliberada e inteligente. Ora, qualquer ser vivo é infinitamente mais complexo do que o relógio mais sofisticado. Não há relógio sem relojoeiro, diziam Voltaire e Rousseau. Mas que relógio ruim o que contém terremotos, furacões, secas, animais carnívoros, um sem-número de doenças – e o homem! A história natural não é nem um pouco edificante. A história humana também não. Que Deus após Darwin? Que Deus após Auschwitz?” (André Comte-Sponville. Apresentação da filosofia, 2002. Adaptado.)

Sobre os argumentos discorridos pelo autor, é correto afirmar que a existência de Deus é:

a) defendida mediante um argumento de natureza estética, em oposição ao caráter ideológico e alienante das crenças religiosas.

b) tratada como um problema sobretudo metafísico e teológico, diante do qual são irrelevantes as questões empíricas e históricas.

c) abordada sob um ponto de vista bíblico-criacionista, em oposição a uma perspectiva romântica peculiar ao iluminismo filosófico.

d) problematizada mediante um argumento de natureza mecanicista-causal, em oposição ao problema ético da existência do mal.

e) tratada como uma questão concernente ao livre-arbítrio da consciência, em detrimento de possíveis especulações filosóficas.

01. [B]

02. [D]

Compartilhe nas redes sociais

TOPO