Caule

O caule é um órgão vegetal, geralmente aéreo, que produz e sustenta as folhas, as flores e os frutos, conduz a seiva elaborada, armazena reservas e faz propagação vegetativa.

Para o vegetal, o caule é de de suma importância pois é responsável pela sua sustentação, condução de substâncias alimentares, bem como de guardar reservas de açúcar e amido, por exemplo.

Para a sociedade, o caule também apresenta importância, já que é deste que extraímos a seiva que dá origem à borracha, corantes, resinas, madeira e até importância medicinal pois, muitos remédios que utilizamos tem suas propriedades medicinais extraídas dos caules de determinados vegetais.

Características do caule

O caule é composto por um corpo dividido em nós e entrenós. Possui Presença de folhas e botões vegetais.

Geralmente os caules são aclorofilados (exceto caules herbáceos) e em geral aéreos (exceto bulbos e rizomas), normalmente têm geotropismo negativo e fototropismo positivo.

caule
Imagem: Reprodução

Funções do caule

As funções do caule incluem a produção e sustentação de folhas, flores, ramos e frutos.

Também incluem a condução da seiva, o crescimento e propagação vegetativa. Às vezes fazem fotossíntese e reserva de alimentos.

Definição de caule

Podemos definir o caule como um órgão vegetais, geralmente aéreo, que produz e sustenta as folhas, as flores e os frutos, conduz a seiva elaborada, armazena reservas e faz propagação vegetativa.

Tipos de caules

Classificação dos caules quanto ao habitat:

  • Eretos: desenvolvimento quase vertical:
  • Tronco (arbustos e árvores): lenhoso, resistente, cilíndrico, ramificado. Exemplo> Magnólia.
  • Estipe (palmeiras): lenhoso, resistente, cilíndrico, longo. Em geral não é ramificado, com capitel de folhas na extremidade. Raro de ocorrer entre as dicotiledôneas. Exemplo: Mamão, embaúba.
  • Haste (ervas e subarbustos): herbáceo ou fracamente lignificado. Pouco resistente. Ex. Botão de-ouro.
  • Colmo (gramíneas): cilíndrico, com nós e entrenós bem marcantes. Podem ser cheios ou ocos. Exemplo: Milho, cana-de-açúcar, bambu.
  • Escapo: o caule que sai do rizoma ou bulbo. Não é ramificado, sustenta flores na extremidade.
    Ocorre nas plantas que têm caule muito reduzido ou subterrâneo (as folhas parecem sair direto do solo). Exemplo: Margarida, falsa tiririca.
  • Rastejantes: apoiados e paralelos ao solo, com ou sem raízes. Exemplo: Abóbora.
  • Trepadores: sobem num suporte por meio de elementos de fixação, ou a ele se enroscam. Fixação por raízes adventícias: hera. Fixação por gavinhas: chuchu, uva.
  • Volúveis: enroscam-se, mas sem auxílio de órgãos de fixação. Exemplo: Madressilva.
  • Subterrâneos: desenvolvem-se abaixo da superfície do solo. Exemplo: Gengibre

Classificação dos caules quanto à ramificação

  • Indivisos: não ramificados. Exemplo: Estipe.
  • Ramificados: com ramos laterais. Maioria dos caules.

Os tipos de ramificação podem ser dois:

  1. Sistema monopodial: Gema terminal persistente na qual predomina o eixo principal sobre os ramos laterais que surgem abaixo da extremidade. O eixo principal é constituído pelos tecidos formados pela mesma gema terminal. Exemplo: Araucária, Pinheiro.
  2. Sistema simpodial: A gema terminal tem curta duração e é substituída por uma lateral que passa a ser a principal, logo esta é substituída por outra lateral e assim por diante.

O eixo principal da planta é formado por tecidos originados das diversas gemas que se substituíram paulatinamente. Exemplo: Árvores em geral.

Classificação dos caules quanto ao desenvolvimento

  • Erva: Pouco desenvolvida. Pouca ou nenhuma lignificação (pouca consistência). Exemplo: Crista-de-galo, botão-de-ouro.
  • Subarbusto:Arbusto pequeno, tem até 1 metro de altura. A base é lenhosa e o resto é herbáceo. Possui ramos tenros.
  • Arbusto: Tamanho inferior a 5 metros. Resistente e lenhoso inferiormente e tenro e suculento na parte superior, sem um tronco predominante, porque ramifica a partir da base.
  • Árvore:Tamanho grande (maior que 5 metros). Tronco nítido e sem ramos na parte inferior. A parte ramificada é a copa.
  • Liana: Cipó trepador. Exemplo: Cipó-de-São-João.

Classificação dos caules quanto à consistência

Seguindo o aspecto de consistência, os caules podem se apresentar de três maneiras diferentes:

  • Herbáceo: Com aspecto de erva. Não lignificado. Exemplo: Botão-de-ouro.
  • Sublenhoso: Com base lignificada e ápice não (tenro). Exemplo: Crista-de-galo.
  • Lenhoso: Consistente e resistente. Com considerável crescimento em diâmetros transversais. Exemplo: Árvores.

Referências

Aulas teóricas e práticas de morfologia vegetal: célula, tecido e órgãos – Adriana T. Salamoni

Luana Bernardes
Prof. Luana Bernardes

Graduada em História pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e pós-graduada em Psicopedagogia Institucional e Clínica pela mesma Universidade.

Exercícios resolvidos

1. [UNIOESTE]

Com relação ao Reino Metaphyta, é correto afirmar que:

01. nas angiospermas o fruto é o ovário desenvolvido.

02. o báculo, o prótalo e os soros são estruturas características das briófitas.

04. os vegetais fanerógamos caracterizam-se pela presença de flores e sementes.

08. nas gimnospermas, o óvulo situa-se em folhas carpelares abertas.

16. as briófitas possuem o esporófito haploide e o gametófito diploide.

32. a banana é um fruto partenocárpico.

64. as briófitas são vegetais vasculares.

Resposta: 54 (01+04+08+32)

2. [UECE]

Quando falamos de uma planta que apresenta tecido vascular, não possui ovário, não produz sementes e tem como geração dominante a esporofítica, estamos nos referindo a uma

a) briófita.

b) angiosperma.

c) gimnosperma.

d) pteridófita.

Resposta: D
As pteridófitas são plantas que possuem vasos condutores, porém não possuem flores, sementes ou frutos.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO