República de Weimar

A República de Weimar foi um período de democracia representativa na Alemanha pós Primeira Guerra e que antecedeu a ascensão nazista ao poder.

Promulgada em 11 de agosto de 1919 na cidade de mesmo nome, a República de Weimar, teve como seu primeiro presidente Friedrich Ebert (1871-1925) do partido Social-Democrata.

A República nasceu no intuito de substituir o reinado de Guilherme ll (1859-1941), imperador alemão desde 1888 e deposto dias antes da assinatura da derrota alemã na Primeira Guerra Mundial em 1918.

República de Weimar
Imagem: Reprodução

Entre os anos de 1919 e 1920 houve a Conferência de Paz. Nessas reuniões foram discutidos os termos dos vencedores da Guerra para com os vencidos.

Em 28 de junho de 1919, cinco anos após o assassinato de Francisco Ferdinando, foi assinado o Tratado de Versalhes. Esse Tratado foi imposto aos alemães, elaborado praticamente pelos franceses.

As consequências do Tratado de Versalhes para a Alemanha

A assinatura do Tratado provocou um enorme abalo na Alemanha, não só no aspecto físico, mas também no psicológico.

Para muitos alemães esse tratado era uma vingança pessoal da França, pois em 1871 a França perdeu a Guerra Franco-Prussiana e um dos despojos da até então não unificada Alemanha, foi o território da Alsácia-Lorena.

Porém a Alemanha deixou de “constituir uma ameaça” para toda a Europa. O historiador Eric Hobsbawm aponta que o Tratado de Versalhes foi uma imposição de uma paz punitiva à Alemanha, sendo pautada na premissa que o Estado alemão era o único responsável pela guerra, sendo assim era preciso mantê-lo permanentemente enfraquecido.

Para os alemães, a imposição do Tratado os transformou em “escravos”, os inferiorizando perante a Europa.

A República de Weimar e a ascensão do nazismo

Durante o período da República de Weimar, a classe operária alemã foi a que mais sentiu o peso do Tratado de Versalhes, pois a perda de territórios industriais e a inflação aumentaram a taxa de desemprego na frágil República.

Mesmo com quase todos os partidos alemães falando sobre o desemprego, o partido nazista conseguiu penetrar mais a fundo na mentalidade da época.

Isso pode estar associado à sua pregação em favor da criação de uma comunidade sem classes, ou ainda ao fato de Hitler tender a lembrar que ele também foi um desempregado, antes e após a Primeira Guerra Mundial, para criar uma proximidade com os desempregados.

Trabalho e pão

Partindo da premissa de que Hitler era a última esperança contra o desemprego o Partido Nazista posteriormente lançou a campanha “Arbeit und Brot”, ou seja, “trabalho e pão” na qual o partido prometia dar duas coisas essenciais para o funcionamento do país.

Um lema com o qual o partido tendia a expor de forma extremamente simplificada aquelas que concebia como constituindo as necessidades enfrentadas pela população alemão, ao propor que para ter um é necessário ter o outro.

Para comprar o pão é preciso ter um emprego, além de o pão ser uma representação mais comum para comida, no tempo da crise o pão era o alimento básico da alimentação cotidiana da sociedade alemã.

Num contexto mais amplo, as políticas agrícolas eram parecidas com aquelas escolhidas para os trabalhadores urbanos, como por exemplo a questão da autodeterminação nacional, que servia para neutralizar as pesadas indenizações de guerra impostas pelo Tratado de Versalhes.

A ascensão nazista

A forte presença do nazismo no imaginário social, que se utilizava de cartazes de forte apelo emocional, permitiu que a ascensão dele em 1933, mesmo não sendo um processo democrático.

Desse modo, o fato de não conseguirem, depois de 1918, escapar da sombra da Primeira Guerra Mundial, as sanções do Tratado de Versalhes permitiram que um movimento político racista e belicoso, comandado por políticos inescrupulosos chegasse ao governo e assim condenassem a primeira democracia alemã à destruição e a Europa a outra guerra mundial.

Importa ressaltar que o partido nazista nas eleições presidenciais de 1925 recebeu 1,1% de votos, não passando para o segundo turno.

Já no primeiro turno de 1932 ele recebeu 30,1% e no segundo turno essa porcentagem aumentou para 36,8%. Com isso pode-se perceber que o partido não nasceu grande, com milhares de seguidores que se faziam presentes em comícios e comemorações.

Durante o ano de 1933, o Partido Nazista eliminou toda a oposição. E em 14 de Julho de 1933 a Alemanha foi oficialmente declarado um estado de partido único por um decreto-lei.

Referências

A República de Weimar e a ascensão do nazismo – Ângela Mendes Almeida
A Era dos Extremos – Eric Hobsbawn
Trabalho e Pão: A República de Weimar a partir de cartazes nazistas de 1932 – João Pedro C. Pereira,
Marco A. Stancik

Luana Bernardes
Por Luana Bernardes

Graduada em História pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e pós-graduada em Psicopedagogia Institucional e Clínica pela mesma Universidade.

Exercícios resolvidos

1. [PUC]

A crise econômica e a instabilidade político-social que dominaram o cenário alemão durante a República de Weimar (1913-33) apresentaram como desdobramento:

a) a afirmação dos princípios morais tradicionais e a frugalidade dos costumes, impedindo a adoção de um estilo de vida desregrado e hedonista.

b) a ascensão dos segmentos intermediários da sociedade, beneficiados com o surto especulativo e a inflação galopante.

c) a elevação dos investimentos internos, reduzindo o nível de desemprego, notadamente no início da década de 1930.

d) a consolidação do Partido Social-Democrata no poder, favorecido pelo caos da economia e pelos termos impostos pelo Tratado de Versalhes.

e) a fragilização das instituições democráticas, abrindo caminho para a difusão de ideologistas radicais de cunho totalitário.

Resposta: E
O resultado principal dos problemas econômicos e sociais durante a República de Weimar foi o surgimento do nazismo como possível solução.

2. [UNICAMP ]

Leia os trechos dos textos abaixo:

Após a Primeira Guerra Mundial, a República de Weimar teve controle muito limitado sobre as forças militares e policiais necessárias à manutenção da paz interna. No final, a República caiu em consequência dessa limitação, fragilidade explorada por organizações da classe média, as quais achavam que o regime parlamentar-republicano as discriminava e, assim, procuraram destruí-lo.

ELIAS, Nobert. Os alemães. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997. Adaptado.

A exigência da anulação da “paz imposta” pelo tratado de Versalhes foi, ao lado do antissemitismo, o ponto mais importante na propaganda nazista durante a República de Weimar.

GAY, Peter. A cultura de Weimar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978. Adaptado.

Analise as afirmativas abaixo e indique a alternativa correta.

I – Uma das exigências impostas no Tratado de Versalhes aos alemães foi o desmantelamento de suas forças armadas, sendo que seu exército não poderia ultrapassar 100 mil homens.

II – O partido nazista se aproveitou do caos econômico e social para ascender ao poder, apontando soluções para o desemprego, em ações apoiadas na aliança com os capitalistas judeus.

III – A República de Weimar consistiu na formação de um regime político parlamentarista, com ampla liberdade à participação partidária. Com esta formação pôde o partido nazista ascender ao poder no início da década de 1930.

a) Todas as afirmativas estão corretas.

b) Apenas as afirmativas I e II estão corretas.

c) Apenas as afirmativas I e III estão corretas.

d) Nenhuma das afirmativas está correta.

e) Apenas a afirmativa I está correta.

Resposta: C
Na verdade os nazistas passaram a responsabilizar os capitalistas judeus pela ruína da Alemanha, o que explica em parte seu antissemitismo.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO