Doutrina Monroe

A Doutrina Monroe foi criada para defender os Estados Unidos e posteriormente a América inteira contra o colonialismo europeu.

A Doutrina Monroe emergiu após as relações entre os Estados Unidos e a América Latina, que sempre foi marcada por certa tensão, crescerem, a ponto de uma forte emigração continental se direcionar aos EUA.

Publicidade

Houve primeiro uma estranheza que os norte-americanos sentiram ao vislumbrar uma América ibérica, mestiça e católica, tão diferente de sua pátria anglo-saxônica e protestante.

A primeira iniciativa de estabelecer um contato mais direto com a vasta América hispânica foi efetuada pela Doutrina Monroe, em 1823, onde o presidente estadunidense James Monroe reivindicou, para seu país, a “posse” do Hemisfério Ocidental, deslegitimando qualquer pretensão imperial europeia na região.

A Doutrina Monroe, inicialmente, fora elaborada como uma medida de segurança a fim de proteger os Estados Unidos contra a ameaça de uma invasão europeia em seu território, uma possibilidade real no começo do século XIX.

Os Estados Unidos, sendo na época um país periférico no sistema mundial, tinha por prioridade garantir sua defesa através de uma política isolacionista em relação à Europa.

Com o tempo, os americanos expandiriam tal postura pelo resto do continente americano, estabelecendo assim a sua hegemonia na região.

Doutrina Monroe e a América para os americanos

A Doutrina Monroe possuía o lema “A América para os americanos” e estava baseada em três princípios:

Publicidade

  • O continente americano não pode ser objeto de uma recolonização;
  • É inadmissível a intervenção de qualquer país europeu nos negócios internos ou externos de países americanos;
  • Os Estados Unidos, em troca, se absterão de intervir nos negócios pertinentes aos países europeus.
Doutrina Monroe
Imagem: Reprodução

Washington passa então a apoiar movimentos de independência que aconteciam com frequência na região, no intuito de atrair as novas repúblicas para a sua órbita.

O xenofobia por trás da doutrina

É interessante notar que os norte-americanos nunca viram os latino-americanos de maneira positiva.

Desde o século XIX, os habitantes do “México para baixo” são tidos como irremediavelmente inferiores em todos os sentidos: subdesenvolvidos, tornando-os alvo de intervenções culturais, religiosas, políticas, sociais e econômicas.

Publicidade

Não é de hoje que estadistas e diplomatas estadunidenses fazem descrições carregadas de racismo e estereótipos sobre os latino americanos, deliberadamente desumanizando-os.

John Quincy Adams, sexto presidente norte-americano, classificava os latino-americanos como: “vagabundos, sujos e grosseiros, comparáveis a um bando de porcos”.

De qualquer forma, a formulação da Doutrina ajudou a Grã-Bretanha a frustrar os planos europeus de recolonização da América e permitiu que os Estados Unidos continuassem a aumentar as suas fronteiras na direção do Oeste.

Essa expansão no continente americano marcou o início da política expansionista do país no continente.

Publicidade

Referências

A Doutrina Monroe e suas influências: O impacto nas Américas – Byron Kuhn, Raquel Arévalo

O Imperialismo Americano no século  XIX  –  Carlos Eduardo F. Lima, Cynthia S. Trisuzzi, Paulo V. A. Galvão

Luana Bernardes
Por Luana Bernardes

Graduada em História pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e pós-graduada em Psicopedagogia Institucional e Clínica pela mesma Universidade.

Como referenciar este conteúdo

Bernardes, Luana. Doutrina Monroe. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/historia/doutrina-monroe. Acesso em: 18 de May de 2022.

Teste seu conhecimento

01. [UFMG]: Considerando-se as relações entre a América Latina e os Estados Unidos a partir de meados do século XIX, é correto afirmar que:

a) a abertura do canal no estreito do Panamá possibilitou o desenvolvimento de relações comerciais equilibradas entre as Américas.

b) a consolidação dos Estados antilhanos e centro-americanos viabilizou o apoio constante do governo norte-americano às democracias destas regiões.

c) a derrota do México, na guerra com os Estados Unidos, significou a perda de quase metade do território mexicano para este país.

d) a política do Big Stick, implementada pelo presidente Theodore Roosevelt, visava a estreitar o diálogo diplomático entre os países americanos.

 

02. [UFSCAR]: Leia o texto a seguir.

Doutrina Monroe

“´[…] Devemos, portanto, pelas sinceras e amistosas relações existentes entre os Estados Unidos e aquelas potências, declarar que consideramos qualquer tentativa por parte delas de estender seu sistema a qualquer porção deste hemisfério como perigosa para nossa paz e segurança. Não interferimos e nem interferiremos nas colônias existentes ou dependentes de qualquer potência europeia. Mas, quanto aos governos que declararam sua independência que reconhecemos, depois de muita consideração e sob justos princípios, não podemos ver nenhuma interferência por parte de qualquer potência europeia com o propósito de oprimi-los ou controlar-lhes o destino como o da manifestação de uma disposição inamistosa para com os Estados Unidos. […]”

Trecho de mensagem do presidente Monroe ao Congresso, 2 de dezembro de 1823. In: MATOSO, Kátia M. de Q (org.). Textos e documentos para o estudo da história contemporânea. São Paulo: Hucitec/Edusp, 1977.

De acordo com a Doutrina Monroe, cujos princípios são expressos acima, avalie as afirmativas abaixo:

(02) De acordo com a Doutrina Monroe, sucessivos governos dos EUA se viram no direito de intervir na defesa de alguns países latino-americanos contra as potências europeias, destacando-se o apoio militar à independência de Cuba, em relação à Espanha, no final do século XIX.

(04) Contrariamente à doutrina Monroe, o presidente Theodore Roosevelt lançou a política do Big Stick, mantendo uma política de não intervenção nos negócios internos dos países latino-americanos.

(08) Teoricamente amparados pela Doutrina Monroe, os EUA interviram, em 1903, na disputa entre o Panamá e a Colômbia, auxiliando na independência do primeiro, tendo ainda conseguido o direito de explorar comercialmente o canal que construíram no país, ligando o oceano Atlântico ao Pacífico, até 1999.

(16) O conflito com a Espanha, amparado pela Doutrina Monroe, levou os EUA a conseguir, além da independência cubana, a anexação dos territórios do Havaí e do Alaska.

Qual alternativa indica a somatória correta dos números que antecedem as afirmativas verdadeiras?

a) 12

b) 20

c) 24

d) 10

e) 18

01. [UFMG]

Resposta: G

As demais afirmativas apresentam uma relação de respeito por parte dos EUA em relação aos demais países latino-americanos, o que não ocorreu na relação histórica entre eles, já que na imensa maioria das vezes prevaleceu o interesse econômico dos capitalistas estadunidenses.

 

02. [UFSCAR]

Resposta: D, 10 (2 + 8)

A política do Big Stick foi uma consequência da Doutrina Monroe. Já as anexações do Havaí e Alaska não se deram por anexação após a luta contra a Espanha.

Compartilhe

TOPO