Meteoros e meteoritos

Um meteoro o fenômeno luminoso da passagem de um meteoroide pela atmosfera terrestre. Enquanto meteorito é um meteoro que atinge o solo terrestre.

Qual a diferença entre meteoro e meteorito?

Assim que entra na atmosfera o asteroide/meteoroide passa a denominar-se meteoro.

Alguns meteoros podem cair na superfície terrestre e provocar danos. Duas vezes por semana, aproximadamente, um meteoro do tamanho de uma almofada se precipita sobre a Terra e explode com a força de uma bomba atômica.

Felizmente, nossa atmosfera faz com que os meteoros se vaporizem a 8 quilômetros do solo. Se um pedaço de meteoro sobreviver e conseguir chegar à superfície, então será chamado de meteorito .

Milhões de meteoritos atacam a Terra todos os dias, a maioria deles é do tamanho de um grão de areia. No entanto, de vez em quando, algum objeto maior entre em contato com esse escudo de proteção natural da Terra, às vezes com efeitos catastróficos.

Desse modo, os cientistas acreditam que uma dessas bolas de fogo ocasionou a extinção dos dinossauros ao colidir com a Terra na província de Yucatán, no Mexico, há 65 milhões de anos. Esse meteorito poderia ter tido 8 km de diâmetro.

Assim, podemos concluir que quando um asteroide ou meteoroide adentra a atmosfera terrestre, é chamado de meteoro e quando toca o solo terrestre é denominado meteorito.

Características dos meteoros

Meteoros são fragmentos espaciais de vários tamanhos, podendo atingir até várias toneladas de peso. São conhecidos também como “estrelas cadentes”, pois, tornam-se incandescentes quando ingressas na atmosfera terrestre, explodindo.

Durante a travagem motivada pelo atrito do ar, o agora meteoro vai deixando um rasto de luz, poeira e átomos ionizados

E são esses rastros de luz, visíveis em qualquer noite estrelada, que são vulgarmente conhecidos por estrelas cadentes, mas são meteoros.

Imagem: Reprodução

A maioria dos meteoros vaporiza completamente, nunca atingindo a superfície terrestre. No entanto alguns sobrevivem à ablação, e percorrem os últimos 20 a 30 quilómetros sem emissão de luz, a fase de “Voo Escuro”, cuja trajetória é influenciada pelos ventos.

Características dos meteoritos

Assim como já dito acima, quando o objeto atinge o solo, passa então a denominar-se “Meteorito”.

Os meteoritos dividem-se em três categorias principais: os ferrosos, os ferro-rochosos e os rochosos. Acredita-se que os meteoritos rochosos e ferro-rochosos sejam originários dos núcleos de asteroides maiores.

Por sua vez, os meteoritos rochosos se subdividem em condrites, acondrites e carbonáceos e alguns meteoritos rochosos poder ser provenientes inclusive de Marte e da Lua.

Segundo os cientistas, nem todos os meteoritos são vistos a cair; na realidade isso apenas acontece em cerca de 33% dos casos.

Quando um meteorito é visto cair é identificado com uma queda. Quando é encontrado depois de cair no solo considera-se uma descoberta.

Referências

Manual de Geografia Geral – Equipe Rideel
Asteróides, Meteoróides, Meteoros e Meteoritos – José Ribeiro
Meteoros, Meteoritos e Impactos – Centro de Ciência Vida de Algarve

Luana Bernardes
Por Luana Bernardes

Graduada em História pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e pós-graduada em Psicopedagogia Institucional e Clínica pela mesma Universidade.

Exercícios resolvidos

1. [CESGRANRIO ]

força da atração gravitacional entre dois corpos celestes é proporcional ao inverso do quadrado da distância entre os dois corpos. Assim, quando a distância entre um cometa e o Sol diminui da metade, a força de atração exercida pelo Sol sobre o cometa:

a) diminui da metade;

b) é multiplicada por 2;

c) é dividida por 4;

d) é multiplicada por 4;

e) permanece constante.

Resposta: D
força gravitacional entre o Sol e o cometa é dada pela expressão:

F = G . MS . Mc
r2

Quando r diminui pela metade, passa a ser r/2, e a força gravitacional pode ser reescrita como:

F’ = G . MS . Mc
(r/2)2

F’ = G . MS . Mc
r2/4

F’ = 4 G . MS . Mc
r2

F’ = 4F

O resultado obtido mostra que a força F fica multiplicada por 4

2. [FGV]

“As usinas de energia solar responderão por 2,5% das necessidades globais de eletricidade até 2025 e 16% em 2040, diz o relatório da associação europeia do setor e do Greenpeace. Hoje, elas representam 0,05% da matriz energética. A taxa de expansão anual do setor tem sido de 35%.”

Jornal O Estado de S. Paulo, 07/09/2006

Assinale a alternativa que melhor explique esse enunciado:

a) Essa tendência de expansão explica-se pelo fato de o Sol representar fonte inesgotável de energia, cuja transformação em eletricidade exige um processo simples e de baixo custo, se comparado com a hidreletricidade.

b) A transformação de energia solar (de radiação) em elétrica difundiu-se muito no Brasil para uso doméstico, especialmente após a crise do apagão, em 2001.

c) O desenvolvimento da geração de energia elétrica a partir da solar ainda é incipiente no Brasil, pois envolve um processo caro e complexo se comparado à hidreletricidade, relativamente barata e abundante.

d) A tropicalidade do Brasil permite vislumbrar, a médio prazo, um quadro de substituição da energia hidrelétrica por energia solar, sobretudo nas áreas metropolitanas costeiras.

e) A expansão do uso de energia solar apontado pelo enunciado favorece, especialmente, os países subdesenvolvidos que ocupam, em sua maioria, as faixas intertropicais do planeta.

Resposta: C
a) Falso – a produção de energia elétrica a partir da radiação solar não apresenta, ao menos por enquanto, um baixo custo em sua produção.

b) Falso – mesmo com o apagão de 2001, o Brasil não apresentou significativos avanços na geração de energia solar.

c) Verdadeiro – O Brasil ainda não encontrou razões econômicas para investir em energia solar, haja vista que o país possui um elevado potencial hidrelétrico, que demanda menores gastos.

d) Falso – O Brasil, mesmo que avance na produção de energia pela radiação solar, não apresenta perspectivas de substituir a hidroletricidade. Além disso, a instalação de usinas solares dar-se-ia de forma mais expressiva no interior do Nordeste, e não nas zonas costeiras do país.

e) Falso – Apesar de boa parte de os países subdesenvolvidos apresentarem condições climáticas para o aproveitamento da energia solar, esta deverá ser implementada primeiramente pelos países desenvolvidos, uma vez que eles possuem melhores condições econômicas para tal.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO