Próstata

A próstata é uma glândula situada entre a bexiga e o pênis e é aproximadamente do tamanho de uma noz.

A próstata é uma glândula presente nos homens, localizada na frente do reto, abaixo da bexiga, envolvendo a parte superior da uretra (canal por onde passa a urina).

A glândula não é responsável pela ereção nem pelo orgasmo. Assim, sua função é produzir um líquido que compõe parte do sêmen, que nutre e protege os espermatozoides

Durante a ejaculação, a próstata expele um fluido seminal alcalino na uretra. A natureza alcalina do sêmen contraria o ambiente ácido da vagina.

Isso protege os espermatozoides e prolonga o tempo em que podem se mover no trato vaginal, sendo a maior glândula acessória masculina.

próstata
Imagem: Reprodução

É encontrada abaixo do colo da bexiga e acima do esfíncter uretral. Além disso, a próstata fica em frente ao reto, facilitando a realização de exames retais digitais (DRE) para inspecionar a saúde da glândula.

As enzimas proteolíticas da próstata são capazes de sair da próstata através de ductos que se abrem para a uretra antes de ejacular.

A próstata é muito vascularizada e bem inervada. O suprimento arterial, ou sangue rico em oxigênio, da próstata vem das artérias prostáticas.

Função da Próstata

A glândula tem a função primária de secretar um fluido fundamental. Esse fluido é uma parte do fluido seminal que é ejetado durante a ejaculação após o sexo.

Os músculos da próstata ajudarão a ejetar o fluido seminal na uretra. Os próprios músculos pesam cerca de vinte gramas e envolvem a uretra logo abaixo da bexiga.

Durante a ejaculação, o esperma é transportado através de tubos de drenagem chamados de ductos. Quando isso acontece, a próstata aperta, com a ajuda dos músculos circundantes, e fecha a abertura que é encontrada entre a uretra e a bexiga.

Esse movimento direciona o fluido para a uretra e empurra o sêmen para fora. O próprio fluido seminal é composto de ácido cítrico, enzimas e zinco.

Enquanto o fluido da próstata é ligeiramente ácido, o fluido produzido pelas vesículas seminais torna o sêmen um pouco básico – o que, como mencionado anteriormente, é uma medida de proteção para prolongar sua vida útil.

Outro elemento no fluido da próstata é uma enzima, PSA ou agente específico da próstata. O PSA desempenha um papel na liquefação do fluido seminal para permitir que o esperma nade facilmente.

Um médico pode solicitar um exame de sangue para medir os níveis de PSA no sangue do paciente. Quando os níveis de PSA são altos, a presença de câncer de próstata é mais provável.

O local da próstata o torna um ótimo local para a entrega do fluido; no entanto, também o torna um alvo mais fácil para doenças quando a glândula incha.

Doenças ocasionadas na glândila

A próstata inchada pressiona a uretra e, pelo menos, bloqueia parcialmente a micção. Isto irá irritar a bexiga e a área circundante.

De fato, o desconforto urinário secundário ao inchaço da glândula é uma ocorrência freqüente em senhores mais velhos.

Até metade dos homens com mais de sessenta anos sofrem de hiperplasia benigna da próstata (BPH) ou aumento da glândula.

Essa estatística pula para noventa por cento entre as idades de setenta e oitenta. Os sintomas dessas doenças incluem micção freqüente e vazamento urinário.

Da mesma forma, a prostatite é outra condição em que uma infecção inflama o tecido da região. Isto é tratado com uma rodada de antibióticos. Porém, nem todo o crescimento da próstata é benigno.

Estima-se que mais de 200.000 homens são diagnosticados com câncer de próstata a cada ano, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA).

A taxa de sobrevivência de cinco anos para homens diagnosticados com este tipo de câncer é de apenas 29%. Logo, um pouco menos de 30.000 mortes são causadas por esta doença a cada ano.

O câncer de próstata ocupa o terceiro lugar nas principais causas de morte em homens americanos. Uma combinação de cirurgia, radiação e quimioterapia é usada para tratar o câncer de próstata, enquanto os pesquisadores continuam buscando uma cura.

Referências

Câncer de próstata: Vamos falar sobre isso? – INCA

Luana Bernardes
Por Luana Bernardes

Graduada em História pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e pós-graduada em Psicopedagogia Institucional e Clínica pela mesma Universidade.

Exercícios resolvidos

1. [FGV]

Associe as estruturas abaixo relacionadas com a função realizada por cada uma:

1. Túbulos seminíferos

2. Epidídimo

3. Células intersticiais do testículo

4. Hipófise

( ) local de produção de espermatozoides

( ) local de armazenamento de espermatozoides

( ) local de produção do hormônio sexual masculino

( ) local de produção do hormônio gonadotrófico

a) 1, 2, 3, 4

b) 2, 3, 4, 1

c) 3, 4, 1, 2

d) 4, 3, 2, 1

e) 2, 1, 4, 3

Resposta: A
Local de produção de espermatozoides → túbulos seminíferos (1)

Local de armazenamento dos espermatozoides → epidídimo (2)

Local de produção do hormônio sexual masculino → células intersticiais do testículo (3)

Local de produção do hormônio gonadotrófico → hipófise (4)

2. [UNIFMU]

O caminho dos espermatozoides produzidos nos testículos é:

a) Próstata, vesícula seminal e uretra;

b) Túbulos seminíferos, epidídimo, canal deferente e uretra;

c) Túbulos seminíferos, próstata e vesículas seminais;

d) Epidídimo, túbulos seminíferos, uretra e canal deferente;

e) Canal deferente, túbulos seminíferos e uretra.

Resposta: B
Os espermatozoides são produzidos através da espermatogênese nos túbulos seminíferos e depois são encaminhados para os ductos eferentes, de onde seguirão para os epidídimos. Nos epidídimos, os espermatozoides ganharão mobilidade e serão encaminhados para os canais deferentes, também chamados de ductos deferentes. Os canais deferentes são dois tubos que saem um de cada testículo e passam pelo abdome, contornando a bexiga até fundirem-se ao ducto das glândulas seminais, compondo o ducto ejaculatório, que desemboca na uretra. Dessa forma, podemos dizer que o caminho dos espermatozoides é: túbulos seminíferos, epidídimo, canal deferente e uretra.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO